quinta-feira, setembro 05, 2013

Mais...

... um dia que passa. Mais uma notícia menos boa que se recebe... Mais uma pessoa jovem que parte vítima de cancro. Aperta-me o coração sempre que ouço esta palavra. Tão carregada de dificuldade, de dor, de dias menos bons, de barreiras, de lágrimas e de vidas perdidas cedo demais. Mais uma pessoa que parte antes de dar tudo aquilo que poderia ter dado. Mais uma pessoa que deixa um lugar vazio numa casa, numa família, entre os seus amigos e entre com quem ele trabalhou... 

E mais uma vez o meu pensamento viaja até três estrelinhas que estão no céu e que partiram cedo demais por causa desta doença. O meu avô, que infelizmente não cheguei a conhecer. A minha avó, que partiu no ano em que eu fiz 15 anos e que marcou essa data. E tu, meu querido R., que partiste cedo demais com os teus curtos 30 anos. 

Do meu avô não tenho recordações mas dizem-me que tenho as minhas parecenças com ele. Da minha avó, tenho as recordações de belas férias de verão passadas no Alentejo, recheadas de muitas e deliciosas descobertas, bons docinhos e belas gargalhadas. Do meu R., tenho a recordação e a saudade da bela gargalhada, do ombro amigo e do porto de abrigo sempre pronto para receber que mais dele precisava.

Olhem por mim, minhas estrelinhas... Até sempre!

4 comentários:

  1. Não sei o que dizer, nestas alturas é sempre complicado por muito que se diga pouco o coração acalma!
    Onde quer que estejam estão a olhar por ti *

    ResponderEliminar
  2. Cada vez mais agradeço por ter saúde, e ao saber de pessoas que tiveram que mudar a sua vida por causa dessa doença, faz-me aproveitar mais a vida e relativizar muito mais as situações.
    Todos eles vivem no teu coração e por isso estão sempre contigo.

    Beijinhos.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tal como eu... Com a idade com que perdi a minha avó, é óbvio que me custou muito a perda mas ainda não tinha a capacidade ou a maturidade para ver pensar na vida e ver o que verdadeiramente é importante. Já com a morte do meu amigo, que partiu com apenas 30 anos e que teve uma clareza enorme de espírito até o último momento tendo uma enorme preocupação com quem cá ficava, fez-me repensar e muito a minha forma de estar e passar a dar muito mais valor a outras coisas que devem ser colocadas em primeiro plano em detrimento de outras.

      Sim, estão sempre comigo e sinto que olham por mim.

      Obrigada pelas tuas palavras.

      Beijinhos

      Eliminar